Domingo, 17 de Junho de 2007

Uma História (em várias versões) em Chãs (concelho de Vila Nova de Foz Coa)

Meados de Agosto, arraial ao ar livre.

 

A banda actuou naquelas Festas em três anos consecutivos, mas só tenho histórias insólitas no dois primeiros. 

 

Assim:

 

 


 

No primeiro ano, as condições de estadia dos músicos roçavam a indigência. Tínhamos de dormir em casas particulares que nem água canalizada tinham. Como tal, só nos restava irmos tomar banho ao Rio Coa (na altura, ainda não tinham sido descobertas as pinturas rupestres), para ficarmos lavadinhos...

 

O Rio Coa, nessa altura do ano, estava com um caudal fraquíssimo, pelo que podíamos tomar banho nos pequenos fundões.

  

Pois bem, num dos dias em que a banda estava a banhos no Rio, o "tal-músico-de-1m80-de-altura-e-mais-de-100-kg-de-peso" (adivinhem quem  ...), lembrou-se de ensaiar um mergulho... SPLASHHH!!!... e quando retornou à superfície,  tinha um golpe algo profundo na zona da barriga, devido a ter roçado num pequeno escolho com uma aresta bem afiada.

 

Feito o curativo, regressámos ao recinto das festas... e não houve mais novidades nem percalços... a não ser a queima em simultâneo de quatro altifalantes em duas colunas que, nessa altura, eu usava como monitores de palco.... "coisa de somenos importância"...
 

 

 


 

No segundo ano, as condições já foram diferentes. Pudemos dormir numa residencial em Vila Nova de Foz Coa, o que melhorou substancialmente o nosso espírito.

 

... Ao ponto de um "tal-músico-de-1m80-de-altura-e-mais-de-100-kg-de-peso" (adivinhem quem  ...) ter cometido uma pequena "maldade": Numa das manhãs e após ter dormido um sono reparador, dirigiu-se ao café - hoje, uma dependência bancária - contíguo à Residencial e perguntou ao dono: -"Que sandes tem o Sr.?". A resposta veio lesta: -"Fiambre, queijo, chouriço,presunto, blá blá, blá blá, blá blá...". E o "tal-músico-de-1m80-de-altura-e-mais-de-100-kg-de-peso" (adivinhem quem  ...), com o ar mais inocente deste mundo, pediu: -"Então arranje-me, por favor, um galão e dois pães com manteiga"...

 

Pois... pela cara que o esforçado dono do café fez, eu cá penso que deve ter passado pela sua ideia fazer-me a entrega do galão "via aérea" com copo em versão "míssil teleguiado"...

 

Mas voltemos à festa...

 

Nesse ano, cada dia de festa teve a actuação de um artista. No primeiro, um conhecido cantor alentejano, que se fez acompanhar da sua guitarra. No segundo, uma conhecida cantora, hoje tentando ser fadista. E no terceiro, um outro conhecido cantor, também alentejano, que deixou uma indelével marca de tacão de bota num dos estrados do palco...

 

(Sobre este último cantor, que ainda hoje está na crista da onda, eu devo dizer que não sou grande apreciador do seu estilo... porém, a sua atitude de entrega total em palco granjeou-lhe o meu respeito desde então.)

 

Mas foi no segundo dia que sucedeu a grande peripécia desse ano.

 

A conhecida cantora estava a ser acompanhada por uma banda de quatro músicos. Eis senão quando... ouviu-se um típico (e, para nós,  músicos, temível) som de "arranhar" nos altifalantes do guitarrista... e a guitarra ficou "sem pio".

 

(Devo dizer que esse som, por muito "típico" que seja, é também das coisas mais desagradáveis que pode acontecer a um músico: é o som de um cabo a fazer curto-circuito...)

 

Apercebendo-se da situação, o nosso guitarrista (que era amigo do outro guitarrista), disponibilizou-lhe um novo cabo, que foi prontamente ligado à guitarra e ao amplificador... e nada...

 

Entretanto, a artista ia cantando e os restantes músicos acompanhando.

 

Como último recurso, lá substituímos o amplificador do guitarrista da cantora pelo do nosso guitarrista... e a actuação continuou sem mais problemas...

 

A nossa acção de ajuda a um colega mereceu o reconhecimento público da cantora, que pediu para o nosso conjunto uma salva de palmas.

 

Foi um gesto que caiu muito bem.

 

Mesmo assim, tal não impediu que a cantora, ao sair do palco a meio da sua actuação para mudar de vestido, se dirigisse aos bastidores a vociferar a sua frustração alto e bom som (e em linguagem que faria corar um carroceiro...).

 

 

Visitante

Sinto-me:
Música: "This is my song" (Petula Clark)

Publicado por Visitante às 00:32
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
|

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Março 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
27
28

29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

Uma história em Catraia d...

Uma História em Inguias (...

Uma História em Serreira ...

Uma história em Fundada (...

Uma História em Murteira ...

Uma História em Fonte Boa...

Uma história nos Foros de...

Uma História entre Setúba...

Uma História em Terena (C...

Uma História (em várias v...

Arquivos

Março 2009

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Janeiro 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

tags

todas as tags

Já assistiram ao espectáculo:

Web Hit Counter
Instant Cash Advance

Número de Espectadores Presentes:

online
SAPO Blogs

subscrever feeds